Friday, April 20, 2007

O que não tem forma é chato!


O chato, como se imagina, não é um cara legal. Na verdade sempre me intriguei com os chatos. Eles realmente não têm a mínima noção do que significa a palavra diversão para os outros. Chegam a todo o momento, olham para a tua cara com um sorriso no mínimo irritante, e claro, com os olhos arregaladinhos, implorando de joelhos por uma fração de atenção. Tudo porque o chato é a antítese do simpático.

O simpático não realiza nenhum esforço extra para ser identificado, muito pelo contrário, ele está sempre envolvido com um numero razoável de pessoas diferentes. Mas veja bem, digo razoável, porque se for um grande número, ah, aí é porque ele é chato mesmo.

Vamos definir o chato como um ser paralelo, pois nunca participa da pauta do assunto, mas, parelamente, colabora com uns “aham”, “legal né!’, “é eu vi”, “ah, e como tava?”. É, sempre demonstra um grande interesse nos assuntos alheios.

A sobrevivência dessa espécie paralela se deve exclusivamente a sua isenção. O chato não tem opinião, concorda com tudo! Bom, até que nesse ponto ele é esperto, até porque se ele começar a falar o que pensa, certamente uma pessoa normal vai codificar como um convite ao chingamento. E isso é geral, nem os educados e pomposos resitiriam a tal convite. A verdade é que não me sinto bem falando desse tipo de gente, mas não os diminuo. O meu único desejo é que realmente eles não estejam por perto.

A vida me ensinou como escapar. O cara pra se livrar dessa estirpe tem que ter algumas manhas, sacô? A primeira é, quando ele se aproximar, surgindo do nada entre os interlocutores da rodinha de conversa, não respirar. Exatamente isso, porque quando se respira se da de presente um milésimo de segundo para o indivíduo, que treinado abraça com unhas e dentes a oportunidade e consegue se inserir no assunto. Daí meu amigo, já era! A segunda forma de escapar é ser um cara informado. Saber sempre quem são e por onde andam estas figuras que devem ser evitadas, e não caminhar na área deles, porque aí é pedir pra tomar com um gato morto na cabeça. E isso até que seria mais agradável.

Meu sonho é ser político! Inclusive prometi isso a minha mãe, mas provavelmente não cumpra. E quanto estiver no poder vou criar o CNRC, Centro Nacional de Registro de Chatos. Só assim poderei cadastrar todos, mas todos mesmo, a fim de colaborar com as pessoas legais pra que elas não entrem em contato com pessoas desse naipe. Mas enquanto eu não ganho as eleições, não aprovo meu projeto, o lance mesmo é seguir catalogando, mesmo que no boca a boca, os chatos que convivem conosco. O chato não é chato, é foda. É foda de aguentar, foda de escutar e foda de aturar. Obviamente foda é bom, mas o chato é daquelas fodas que no outro dia a gente faz questão de não contar pra ninguém, e ainda por cima se arrepende. É aquela foda que tu para e pensa depois: "Por que eu fiz isso? eu sei que nao precisava, é melhor aproveitar sozinho, já que assim o prazer está em minhas mãos". Evitar ainda é o melhor remédio. Só que as vezes tem que se falar: Porra meu, tu é chato heim!


OBS:. A caricatura do ilustre e simpatissísimo Faustão eu encontrei em um blog muito legal: http://ilustrando.zip.net/ Vale a pena visitar.

10 comments:

Giana Hahn said...

Hahahahahaha!! Prometido e cumprido!! E com que rapidez, hein!hehehehe
Muito bom teu texto!
Tu tens muito a me ensinar!!]
A começar identificando pra mim esse tipo no ambiente em que estudamos!!!
hehehehehe Ah e o final foi ótimo! Fechaste com chave de ouro! ótima comparação!!
Grande beijo

Diego Moretto said...
This comment has been removed by the author.
Diego Moretto said...

Bem representado pelo incrivelmente chato Faustão, a legião de chatos é como chuchu (ou puta de esquina, vc escolhe), dá em qualquer lugar. É impressionante como eles sempre tem uma piada sem graça, uma mentira absurda e um papo besta na ponta da lingua. São irritantes.
Outra maneira de se livra de um chato na escola: vc esta com um grupo de amigos, e lá vem ele, todo bonzão. Ao chegar começa com um assunto idiota, pra variar. Topdos se olham e um salvador diz: E então, vamos ou não a biblioteca estudar? hehehe, como estudo é algo que um chato quer bem longe, é uma boa forma. O foda é se for chato/nerd. Esses são os piores....
Bom, deixa eu ir. Imagino o que te levou a escrever tal post, hehehe. Realmente esse final foi massa cara, ri muito aqui na poltrona, ta loco...

Vlw pelo comentário no blog. Abs!

Nao tem Sentido said...

Bom texto, legal o blog. Mas acho q os chatos nao so concordam com tudo, como falam d+ e muita porcaria, como a figurinha carimbada da caricatura.

Abraço

L.S. Reis said...

O Faustão é chato com força, pôra mêu! É difícil de acreditar que ele esteja na televisão desde quando a gente nasceu...
Puxa, agora fiquei com medo de ser chata!! Às vezes eu me enquadro naquela coisa que vc falou de só ficar respondendo "aham", "legal"... Mas talvez esses sejam os únicos comentários q conseguimos fazer numa conversa com chatos! rs

Valeu pelo seu comentário! Realmente, o nome ficou muito cara de ong! Não era a intenção, mas fazer o quê :P
Vou tentar manter atualizado.

Abraços!

Fernando Teixeira said...

Heheheheheh...
é, tem q se cuidar mesmo, e tem aquele problema obvio..o chato não sabe que é chato, portanto é bom abrir os olhos...

mas confeço que te saiste bem ate na resposta, vai ver os outros são chatos...sempre os outros...hauhauhauh
brincadeira..

Obrigado por vir no blog, volte sempre..

L.S. Reis said...

Me sai bem na resposta? rs
Vc se saiu bem na resposa da resposta! ainda tô preocupada com o fato de poder ser uma chata!...

Mas então, dei minha primeira verdadeira atualizada!

quero ser criticada! vai lá quando estiver desocupado :D

Outro abraço!

L.S. Reis said...

Puxa, vc tem toda a razão, cara. Na hora em que escrevi "ele tinha uma história pra contar" pensei automaticamente: quem não tem uma história pra contar?? gostei de ouvir a dele, rs...
Na correria do dia-a-dia a gente ignora todo mundo vida afora, rico, pobre, o que for. Certamente rola um preconceito enorme nisso ai, já vi gente demais falando "eu odeio rico". Relaciona o dinheiro com esnobismo, futilidades e coisas do tipo, sendo que a relação vem de um pré-conceito, portanto é injusta. Graande parte desse povo trabalhou muito pra chegar onde chegou. Quem não busca ganhar um dinheiro bom? Quem?
(dá pra dissertar sobre isso! rs)
Mas é isso aí, muito bem colocado ;)

Kaline Vieira said...

Muito bom esse texto!
E você tem toda razão... chato eh chato e é necessário todo tipo de manha pra escapar deles, o que, certas vezes, é meio complicado.
Os outros textos são ótimos também.

Valeu pelo comentário lá no blog!

Um abraço.

Rafael Barbosa said...

Nossa, disse tudo!
Os chatos infestam as festas, shows e todos os outros lugares em que vamos para nos divertir!

abraço!