Sunday, March 18, 2007

Mais uma noite no Redundância

Eu e uns amigos bebemos sempre em um bar, no bar Redundância. O que já é praticamente rotina. Afinal, todo o sábado não há nada que nos impeça de se reunir naquele local. Nem a morte da mãe de algum, nem traição e nem a derrota do time. Lá é pra afogar as magoas mesmo. O Redundância é um lugar muito comum, e todas as reformas que são feitas nele se parecem com as feitas anteriormente. Ele fica ao lado de outro bar, chamado Senso Comum, onde os freqüentadores também se parecem muito entre si. Todos dividem as mesmas visões de mundo. Lá não existem brigas. É um local tranqüilo e silencioso, as pessoas não conversam muito, todos estão sempre certos e em consenso.
O dono do Redundância se chama Pleonasmo. Mas nós, como somos íntimos, o chamamos só de Pleu. Ele também participa de nossas conversas, e muitas vezes senta-se a beber e jogar papo fora, como é de costume. É uma pessoa íntegra. Dizem que ele é exatamente igual há pelo menos 30 anos.

Um dia desses, ele nos apresentou um amigo, o Óbvio. Ele era exatamente como imaginávamos. Nem muito alto, nem muito baixo, nem cabeludo, nem calvo, era ele mesmo, Óbvio. Um rapaz bom, que era adorado e lembrado por todos. Não tinha como tirar ele da cabeça. Aonde se ia ouvia-se falar no Óbvio. Mas também pudera, tudo que ele falava era muito claro, qualquer um conseguia entender. Ele se expressava muito bem. Isso eu notei logo na primeira rodada de whiskey - sempre bebíamos a mesma marca no Redundância - quando ele começou a falar de futebol. Ele deu uma verdadeira aula! Começando pelo fato de que ele sabia de tudo, disse, por exemplo, que em um jogo vence que faz mais gols. Não fiquei muito surpreso, já esperava isso, mas quando ele falava parecia que só ele sabia, que nós éramos leigos no assunto. Afinal, tudo que o Óbvio fala é incontestável, e quem discorda passa por tolo facilmente.

Ele versava sem parar, e de repente parou! Levantou da mesa, deixou o copo suado na beirada, e nós ficamos olhando a cena. Abriu o celular, foi para o canto do bar, longe da música, e pôs o dedo indicador no ouvido esquerdo. Foram longos cinco minutos de espera. Não conversávamos. Agora não tínhamos mais assunto sem o Óbvio. Ficamos dependentes. De repente ele volta, franze a testa, senta-se na mesma cadeira e sacode o gelo do copo com um jogo de pulso. Olha bem fundo no copo, bebe um gole daquele destilado, que naquela altura era mais água do que whiskey. Fica pensativo durante alguns segundos e nos olha. Diz que seu irmão está vindo até o bar para juntar-se a nós. Não entendo a preocupação dele, afinal nem parecia mais o Óbvio. Ele diz que não gosta muito desse seu irmão e por isso o descontentamento.

Voltamos a conversar. E depois de alguns minutos tudo voltava ao normal, quando após uma hora de espera chega seu irmão, o Verídico. Eles não tinham nada a ver um com o outro. Tudo que se via em Óbvio não tinha nada de Verídico. Até o Pleu não entendia o parentesco daqueles dois. Eu e meus amigos ficamos atentos. Logo percebi que Verídico era um cara mais seguro, falava pouco, mas sempre com convicção. Parecia ter certeza do que dizia, apesar de muitas vezes não entendermos do que se tratavam suas palavras. Mesmo com aquele desconforto que a situação gerava, estávamos gradativamente nos soltado, claro, com a ajuda do álcool.

Ali ficamos a noite inteira. Até que Óbvio e Verídico começaram a discutir. Tudo que um falava o outro dizia o inverso. Óbvio argumentava que gostava mais do seu outro irmão, o Consenso. Afinal, tudo que Óbvio pensava era aprovado pelo Consenso. Ao tocar no nome do outro irmão os dois quase quebraram a mesa ao meio, devido as constantes batidas com a palma da mão na tábua.

Logo, para o bem de todos, resolveram partir. Óbvio foi para o lugar de sempre, Verídico saiu por aí, sem destino. Nos sentimos bem, mas ficamos sem o que conversar. Sem o Óbvio não tinha assunto, e como conhecemos pouco seu irmão, também não tínhamos nada de Verídico pra dizer. Resolvemos partir, Pleonasmo fez a mesma coisa que faz todos os sábados, nós também. Na despedida nenhuma palavra, alguns olhares e sinais apenas. Na rua, um vento morno, ao fundo vi o sol nascendo, com um tom de violeta e laranja no horizonte. Acendi um cigarro, vei que o Senso Comum acabava de fechar também. Lá não havia nenhum chato incomodando no fim da noite, todos sabiam a hora que o bar fechava. Naquela noite aprendi tudo que o Óbvio falava, mas não gostei nada do que seu irmão dizia. Verídico era um chato! Nada que ele disse no pouco tempo que esteve entre nós fez sentido. Decidi convidar Óbvio para beber semana que vem, mas só ele, afinal, quem precisa de Verídico quando se tem o Óbvio?

4 comments:

Diego Moretto said...

Há o Óbvio.... grande amigo por estas bandas tbm, hehehehhe. Sabe Fernando, que lendo este texto, uma imagem - não muito receptiva, digamos- veio a minha mente: a do nosso saudaso Lula.Não sei pq, talvez pelas metáforas, que acompanham nosso presidente...sei lá. Lembrndo que não condiz à qualidade, pois as do Lula, aff... Não sei se vcs companheiros de bar perceberam, mas o Óbvio eo Veíridico, que de nada se parecem, são ligados por algo forte... são filhos de um senhora Verdade. ( caraca será que to falando bobagem...fim de festa com amigos dá nisso, hehehhehhe). E lembrei de outra coisa tbm, se não me engano, o Consenso trabalha no Congresso. É uma pessoa leviana, que leva tudo nas costas....uma pena....
Bom, é isso. Perdão brother se falei muita besteira..mas não to num estado muito bom agora, hehehehehheehehehehhee. Entretanto to são o suficiente para reconhecer o padrão de excelencia deste texto..massa msm, parabéns! abs!

Diego Moretto said...

Só corrigindo: quis dizer Verídico. Foi mal, tem mais uma porrada de erros la, mas este desestrutura o comentario. Fui!

Giana Hahn said...

Nossa, excelente texto! Muito criativo mesmo e gostoso de ler! (á viu que o Óbvio é grande amigo meu, né? han? han? hahaha)
Vou começar a passar mais seguido por aqui! Aaahh e pode continuar publicando textos do analista de bagé hehehe adooooro veríssimo e adoro este livro! Comédias para se ler na escola e As mentiras que os homens contam seguem a mesma linha e são ótimas também!!
Grande beijo

Álvaro Tiago said...

Ola tudo bem primeiramente parabéns pelo blog, estou a procura de parcerias para troca de links, par obtermos melhores resultados nas pequisas do google e asism aumentarmos nossas visitas
se quiser fazer a parceria para a troca de links entre em contato atra´ves do e-mail alvarotiago@ibest.com.br

Para adiantar Estarei mandando os links com os respecitivos ja para serem linkados ai vão:

Texto: OROLIX, O PROVEDOR DE INTERNET QUE PAGA PARA VOCÊ NAVEGAR
URL:http://www.orolix-mania.blogspot.com

Texto: BLOG SOBRE RENDA EXTRA NA INTERET, PROGRAMAS DE AFILIADOS, DICAS TUTORIAS PESQUISAS PAGAS E MUITO MAIS...
URL: http://www.dinheiro-na-internet.blogspot.com

se tiver interesse entre em contato via e-mail

Abraços, sucesso e parabéns pelo trabalho